Testemunhos

Envie-nos por email:ammamevivavida@hotmail.com ou clique aqui para preencher o formulário com o seu testemunho/história.
Gostariamos de ter um arquivo de testemunhos/histórias que ajudarão as outras mulheres a aceitar e a compreender melhor os problemas relacionadas com o Cancro da Mama.

Tenho 41 anos e em 2001 fiz um mastectomia radical com 6 meses de quimioterapia, e 2 anos e meio de zolodex; Agora estou acabando o tamoxifene um comprimido.
Passaram 8 anos estou bem, sou da mesma opinião da Celetes, nunca deixo para amanhã o que devo fazer hoje; Saio muito não fico em casa só; Dei mais valor a vida, já basta o que passamos e sofremos pensando no pior.
Vamos aproveitar a vida tudo o que podemos, claro com respeito e não fazendo nada de mal, quando somos casadas não podemos fazer tudo o que queremos; Vamos ser mais fortes que a doença e lutar sempre, força para todas que estão passando por esta triste doença.
BJS MARIA FATIMA.

 
Criado por: Maria Fatima Silva Pereira Alves

Detesto estas frases feitas: "Aprendemos a dar mais valor à vida" ou "Temos de estar preparadas para a luta".
Eu não dei mais valor à vida pois para mim esta sempre foi valiosa. E quanto à preparação, quem é que esta preparada para, aos 39 anos e com dois filhos menores, ser surpreendida por um caroço no peito, aparentemente inofensivo, mas que na realidade revela-se maligno e pronto a matar em pouco tempo? Não. Nunca estamos preparadas.
E essa mensagem é que é importante passar.
Chorar não é ficar deprimido, baixar os braços e perder a fé. Muito pelo contrário: É cerrar os dentes e repetir todos os dias Não vais ser mais forte do que eu!!!. Comigo resultou.
E foi por esta luta e força de vencer que me tornei uma das fundadoras desta Associação! Para junto com as minhas colegas ajudar todas as mulheres que sofram do mesmo problema a ultrapassar esta doença, e a poderem elas próprias dizer "amo e vivo a vida"!

 
Criado por: Maria José Gonçalves

tenho 50 anos fui operada em 25/07/2005 no hospital do desterro pelo dr.Fortuna e pela drª.Paulina;fiz 6 meses de quimioterapia e agora faço prevençao de 6 em 6 meses. Quando soube que tinha cancro decidi dizer a todos.familia,amigos e colegas;hoje passados mais de 2 anos chego à conclusao que foi uma escolha acertada porque só sabendo como eu estava me podiam ajudar; ajudaram e tive tanto carinho,apoio e atençao que se tornou mais leve a doença, os tratamentos, enfim toda a situaçao,nunca senti vergonha de não ter uma mama e estar careca porque o carinho era tanto, de todo o pessoal dos hospitais que foi uma grande ajuda para lutar; se nos sentirmos apoiados ficamos mais fortes,pelo menos comigo foi assim e agora não dou mais valor à vida mas,não deixo para o ano que vem um passeio que me apetece dar agora; saio muito, evito passar muito tempo em casa sozinha e posso dizer que me sinto bem, estou viva e feliz.

 
Criado por: Maria Celeste Rodrigues de Almeida

olá, sou a margarida! pela minha experiência pessoal quando fui diagnosticada com cancro da mama e respectiva mastectomia total o único pensamento que tive foi: "eu quero viver e vou fazer tudo o que for necessário. lutar e viver o dia-a-dia!". tive de fazer quimioterapia e uma reconstrução mamária. não foi fácil mas continuei viva e feliz. A seguir veio nova luta: o cancro reencidiu no ano passado, desta vez no esterno; passei novamente pelo processo de quimioterapia. luta vencida pela segunda vez! Por tudo isto que passei justifica fazer parte, como uma das fundadoras, da Associação " Ame e viva a vida "; nada é mais forte que a nossa vontade de viver, e lutar juntamente com quem nos ama. lutem e vençam! beijos

 
Criado por: Margarida Alves

No dia anterior ao vosso evento 1º Fim de Semana Solidário- na expo, onde fiz questão de estar, foi-me dito isto: temos aqui um caso bicudo, exemplo de hipotese de sobrevivência: temos um saco com 20 bolas, 19 prete 1 branca e você tem que tirar a branca. não dá para exprimir tudo o que senti, simplesmente horrivel....fui mastectomizada e estou aqui para poder ajudar.

 
Criado por: Lúcia Pedroso

tenho 35 anos e foi-me diagnosticado um cancro de mama há 2 anos; fui submetida a mastectomia radical modificada, a quimioterapia, a radioterapia e neste momento encontro-me a fazer hormonoterapia.trabalho no ipo e foi lá que fui operada e fiz todos os tratamentos.queria deixar aqui um agradecimento a todpessoque me acompanharam nesta fase da minha vida; sem eles não teria conseguido.ao meu marido , obrigado pelo apoio e amque me tem dado e claro às minhfilhde 5 e 6 anos que muito me ajudaram a ultrapassar os piores momentos.hoje faço a minha vida normal embora ainda esteja numa fase de risco, pois tive gânglios positivos e o medo constante de que possa aparecer alguma coisa noutros orgãos é muito grande; mse deus quiser não via acontecer, até porque se não fosse a fé que tenho, não tinha tido a coragem e a força para caminhar em frente.ao fim deste tempo considero-me uma vencedora, e todmulheres que passaram pesta situação ou que estão a passar envio muita coragem e força; para aqueles que queiram comunicar comigo, deixo-vos o meu e-mail:p.au@hotmail.com beijinhos e que deus vos acompanhe

 
Criado por: Paula Pinto
aos 39 anos foi-me diagnosticado um carcinoma ductal invasivo. estavamos em maio de 2006, o quente do verão começava. e a minha disposição era a de quem procura uma viagem para o verão e não uma angustia e desespero da noticia de que teria de ser intervencionada e talvez retirar a mama direita. aconteceu a cirurgia a 21 de junho de 2006, nao me foi retirada a mama, mas sim uma parte e 33 ganglios, em que um deles estava positivo. fiz quimioterapia, radioterapia, e agora estou na hormonoterapia durante 5 anos; tenho muita fé, que isto foi só um grande susto... não vai voltar. tenho muita coragem para me levantar todos os dias de manhã, cuidar do meu filho pequenino e de todos que gosto e estão perto com aquela força...que nos torna umas verdadeiras vencedoras. beijinhos...
 
Criado por: Isa Correia
aos 35 anos foi-me diagnosticado um carcinoma ductal ivasivo na mama esquerda.era a altura ideal para ser operada, pois estava no inicio. a preparação embora cuidada de que tinha de tirar a mama deixou-me de rastos pois não sabia como dar a noticia aos meus filhos, marido e muito em especial á minha mãe. sai da consulta e fui a pé para casa para ganhar coragem para o fazer;fui operada em agosto de 2004 e não foi retirada a mama toda mas sim parte dela, retiram-me tambem 15 gânglios, havendo invasão de 4. fiz quimioterapia, radioterapia e encontro-me a fazer hormonoterapia; no ano passado dei conta de novo nódulo fiz nova quimio e neste momento aguardo intervenção cirurgica para retiar a mama toda e fazer reconstrução. Agora encaro a situação com mais serenidade e coragem para vencer mais este obstáculo.e tudo graças ao carinho, orientação e amizade que encontrei neste grupo de mulheres corajosas, que já passaram por todo este drama e nos dão força para continuar de cabeça erguida nesta luta pela vida com amor; por tudo isto um bem hajam a todos sócios fundadores de "ame e viva a vida" pela coragem que nos transmitem , obrigada por existirem. Beijinhos
 
Criado por: Maria Gabriela Félix G. Garcia
aos 26 anos fui mastectomizada;o diagnóstico não podia ter sido pior- carcinoma ductal infiltrante; expectativa de vida era muito pouca, isto em 1987. Lembro-me de estar metida na compra de uma casa e o médico dizer-me para eu desistir e tratar de quem ficasse com os meus filhos menores, já que eu estava em processo de divórcio;um mês depois estava a ser operada de novo, um tumor de origem conhecida. em 1991; faço a primeira recidiva do carcinoma; em 1993 faço a segunda recidiva e isto após ter feito resconstrução mamária;na época já tinha feito quimioterapia e radioterapia e tamoxifeno durante 5 anos. Tudo correu mais ou menos bem até 2003. o meu mundo ruiu de novo. nova mastectomia, desta vez á reconstrução, nova recidiva. o que dizer????????????. É dificil encontrar palavras, explicar não sei, aguentar? como é possível o ser humano ter tanta resistência? não sei. Agarro-me á vida, tento viver, ser bem disposta, trabalhar e fazer de conta que nada se passa. mas no fundo do ser, será que é assim? só eu sei! Mas também é dificil, estarmos sozinhas, no mais perfeito isolamento, viver na solidão, e saber que os homens fogem das mulheres mastectomizadas como se elas tivessem alguma doença contagiosa. É triste. Vou continuar o meu caminho e seja o que deus quiser! Bem hajam todas mulheres com cancro da mama. não desistam de continuar a lutar pelos vossos sonhos, sigam em frente e façam o favor vocês mesmo de serem felizes!
 
Criado por: Sandra
Neste momento estou a fazer um tratamento de prevenção, de 3 em 3 semanas e durante um ano; termino em março 2008. Estou a fazer herceptin.foi-me diagnosticado cancro da mama em janeiro de 2006 com 35 anos, claro que reagi como toda a gente nesta situação; achei que o mundo me tinha caído em cima; mas todos os dias são dias da nossa vida, e como tal, fui aprendendo a viver com o medo dos exames, da doença, da cura...passei por 8 tratamentos de quimioterapia, operação de mastectomia e 25 sessões de radioterapia...em novembro de 2006 já falava da doença. como algo mau, mas do passado...tinha muita fé e esperança;que tenha sido só mesmo uma fase e que consiga retomar a minha vida onde ela tinha parado e ser muito feliz com os que me rodeiam.
 
Criado por: Isabel Guerreiro

<< Início Anterior 1 2 3 4 5 Seguinte Último >>

Pag 1 de 5


Partilhe a sua história
* Campos obrigatórios.
O seu nome:*
O seu email:*
Sobre si:
A sua localização:
O seu website:
A sua imagem:
As imagens não podem ser maiores que 500x500 px e 250 kb
Código de Segurança:
Insira o código aqui:*
Partilhe aqui a sua história:*